A última corrida

Há apenas uma corrida, onde por melhores atletas que sejamos, a derrota está assegurada. A corrida da vida, mais tarde ou mais cedo, verga-nos à sua vontade e a partida para o “outro lado” será sempre a nossa derrota.
É claro que cabe-nos a nós lutar por ir o mais longe possível nesta corrida contra o tempo, e ir vivendo nas melhores condições até onde a qualidade de vida nos permita desfrutar com qualidade todos os momentos e alegrias.

jv1
Quis o destino que o meu amigo João Vargas cruza-se mais cedo a meta desta corrida. Uma corrida que não sabe a vitória, mas antes tem um sabor esquisito, assim como se alguém nos pregasse uma rasteira e fossemos obrigados a abandonar a prova.

Partilhámos muitos quilómetros, muitas conversas, muitas parvoíces e muitas coisas sérias, e muitos outros quilómetros, provas, conversas e parvoíces ficaram por partilhar.

jv5
Onde quer que estejas Vargas, continua a contagiar todos com a tua alegria de viver e vamos continuar juntos contigo, a correr estradas, serras e montanhas por aí.

jv2

jv6

jv3

jv8

jv7

jv

Até sempre Vargas!!!

Até Sempre…

Começou o Tic Tax

O tic tax, como muitos comentam por aí, já começou que é como quem diz a contagem decrescente para o Ultra Trail Aldeias de Xisto.

Às 00h00 de Sábado lá estarei na partida para mais 112 quilómetros, assim consiga chegar ao fim sem problemas de maior. O objectivo é mesmo chegar ao fim dentro do tempo limite, não existindo de todo expectativas para a obtenção de um melhor resultado desportivo que não esse. Mesmo assim uma coisa é certa: não será fácil; quer pelo tipo de piso, quer pelas condições atmosféricas que se vão verificar, quer pela forma física actual, será tudo menos fácil, mas espero que os 112 Km e as paisagens fantásticas que vou cruzar, sejam feitos em modo de retiro espiritual, para relaxar, descontrair e ganhar já motivação para os desafios de 2016.

utax15Se calhar se fosse fazer uma massagem o resultado era o mesmo, mas correr 112 Km no meio da serra tem outro encanto!…

Vou correr com o dorsal 43 e podem seguir-me e aos outros atletas no Follow Me clicando aqui.

Continuação de bons treinos e de boas corridas!!!

Subir a montanha

Faltam 9 dias para iniciar a minha ultima grande aventura de 2015, os 112Km do UTAX.

Já aqui me “queixei” que até ao final do ano é correr em modo de serviços mínimos, mas espero ainda arranjar a força nas pernas necessária para completar o UTAX.

Olhando para o perfil altimétrico dos desafios de 2015, aparentemente o UTAX seria aquele que menos preocupações deveria causar, mas no entanto passa-se precisamente o contrário.

O objectivo que defini há cerca de 11 meses atrás foi o de completar três provas acima de 100 Km em 2015. Escolhi para concretizar esse objectivo o MIUT (a amarelo na imagem), o Andorra Ultra Trail Mitic (a castanho) e o Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour (a violeta).

E onde entra o Ultra Trail Aldeias de Xisto (a verde)?

altimetria 2015

MIUT, AUT Mitic, UTCAM, UTAX

Pois é, não deveria entrar, mas com a entorse e respectivo abandono aos 31Km do AUT Mitic, o UTAX surgiu como a alternativa de não falhar o objectivo de 2015.

Comparando o perfil das quatro provas, o UTAX até parece fácil, mas não o vai ser de todo. O piso vai ser muito duro, possivelmente muito escorregadio e molhado, o que vai tornar a progressão difícil e obviamente muitas cautelas na corrida.

Por outro lado a recuperação do UTCAM ainda não está completamente concretizada. O plano de recuperação e de treinos não foi o melhor, no curto espaço de tempo entre as duas provas, e a energia nas pernas está longe dos 100%. Sinto-me agora como se estivesse a começar a época, com as dificuldades inerentes a quem recomeça a correr, e a quem ir correr 112 km de seguida parece uma autêntica miragem.

Veremos se a experiência acumulada nas últimas provas vai ser útil na gestão desta corrida e assim consigo chegar ao fim com sucesso.

Até lá são 8 dias de treino de força e recuperação no Kalorias, com algumas corridas à mistura e muita vontade que chegue a hora da partida. O UTAX pode parecer uma brincadeira ao pé das outras, mas não o será de certeza absoluta.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Mimos

Lá por fora, algumas organizações levam muito a sério a promoção das provas que organizam.

Na minha opinião não é mais do que auto reconhecer o esforço e o investimento que fazem para que a sua organização seja muito boa e, por outro lado, reconhecer também o que os atletas que nela participam têm na divulgação e promoção dessas mesmas provas.

A Maratona do Luxemburgo é um dos casos que já relatei aqui no passado e, mais recentemente, o Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour brindou-me também com um mimo pós corrida que partilho agora aqui convosco.

UTCAM letter

Uma simples carta de agradecimento e reconhecimento pela participação na primeira edição do Ultra Trail Côte d’Azur Mercantour, é um mimo que nos calha sempre bem e que certamente não leva qualquer organização ao prejuízo.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Grande Trail Serra d’Arga 2015

Domingo estive no Grande Trail Serra d’Arga.

Segundo o meu planeamento para 2015 (definido em Novembro de 2014), esta deveria ser a última ultra da época, já em ritmo de passeio e para desfrutar o ambiente. Era esse o meu plano mas o destino quis trocar-me as voltas.

Uma entorse e o consequente abandono na Mitic Andorra Ultra Trail, deitou abaixo o meu objectivo de completar três ultras de três dígitos no ano de 2015. MIUT, MITIC e UTCAM eram os objectivos, e o azar no MITIC “ia” deitando tudo a perder. E agora digo “ia”, porque mais tarde decidi tentar completar o objectivo a que me propus para 2015, tentando finalizar o UTAX.

Os planos são feitos para se mudar, mas quando se tenta planear e preparar uma época de corridas penso que o útil será alterar o menos possível, para que o desempenho possa corresponder ao treino e objectivos definidos inicialmente e, o também esforço logístico tenha o menor impacto na vida pessoal.

Dito isto, Domingo estive no Grande Trail Serra d’Arga.

O Nuno bom queria fazer uma prova em ritmo treino, descansado e sem grande stresses, como último treino longo entre o UTCAM e o UTAX. O Nuno mau, por seu lado, queria fazer uma corrida mais rápida, onde no limite não fizesse pior tempo que na prova do ano passado. Foi assim que comecei a corrida, com esta dicotomia de pensamento.

Soou a partida com a última badalada das 8h00 no sino da Igreja de Dem, e lá fui eu com o restante pelotão lançados à Serra d’Arga.

Confesso que já não tinha grandes memórias do percurso, tinha uma ideia das subidas e descidas, mas já me lembrava de onde exactamente estava o quê. Mas, com o início de cada troço, a prova do ano passado ia-se reavivando na memória e ia-me relembrando de cada momento que vivi em 2014. Subi assim o primeiro troço. O Sr. Ribeiro andava por lá a puxar por atletas e gozava comigo por constatar que ia fazer a prova grande, em vez de recuperar depois do UTCAM. Fui pensando nisso, enquanto o Nuno mau fazia com que puxasse mais um pouco. O ritmo estava razoável mas ia a perder algum tempo face a 2014. A subir não havia problema, mas a descer, num percurso que apela ao ritmo forte e à velocidade, ia a perder algum tempo. Com os problemas que ocorreram no tornozelo esta época, começa agora a reaparecer a confiança para “colocar o pé” e correr sem medo, mas esta ainda não está restabelecida a 100%. O Nuno bom queria acalmar e relaxar um pouco, mas o Nuno mau não o permitia, e foi assim a controlar o relógio que fiz as subidas e descidas até à subida do quilómetro vertical, que subi já com algum cansaço mas sem dificuldade.

12004026_1623291647933921_8066808323507925314_n

Chegado lá acima, Km 28, aproveitei para refrescar o chapéu e a cabeça que o calor que se fazia sentir era muito. Ia a perder cerca de 20 minutos para 2014 e recomecei a correr rumo a São Gonçalo de Montaria. Seriam 5 Km planos e a descer até lá até que os quadricípites começaram a reclamar do esforço que ia a fazer até ali. Momentos de “porrada” entre o Nuno bom e o Nuno mau. Um queria abrandar e seguir confortável, outro queria continuar no mesmo ritmo… Paragem para reflectir, ouvir o corpo e não dei razão nem a um nem a outro, decidi seguir calmamente até São Gonçalo de Montaria e ficar por ali aos 33 Km, afinal o objectivo do ano ainda está por cumprir e só faltam 3 semanas para o UTAX.

Nunca fico satisfeito quando tenho de encurtar ou abandonar um objectivo, mas a recuperação do UTCAM não foi tão rápida quanto o previa e há que ter a consciência de que não somos imortais. Ficou feito o Grande Trail da Serra d’Arga, desta vez em prova curta de 33Km. A prova em si continua bem organizada e a corresponder ao anunciado, apanágio das provas do Carlos Sá. Foi uma grande festa do Trail e quem não conhece esta prova não perca a edição de 2016.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!

Escolher uns ténis para correr

A escolha de uns ténis (ou sapatilhas) para correr é, quase sempre, um processo de difícil decisão, sobretudo para quem corre muitos quilómetros por mês e tem um orçamento limitado para a aquisição destes artigos.

Há centenas de marcas, milhares de modelos diferentes, quase todos prometendo milagres para os pés e centenas de quilómetros de corrida rápida e sem cansaço, só falta mesmo prometerem que correm sozinhos, sendo que um par desses é que eu gostava de poder comprar…

A juntar a este milhar de opções “oficiais”, reaparece agora o fenómeno dos ténis contrafeitos, fenómeno não novo e que volta e meia invade o mercado em meia dúzia de modelos mais populares. Um dos modelos da moda são os Salomon SpeedCross 3, ténis para corrida em trilhos, que custam os originais entre 90 a 130,00 €, que surgem no “mercado” na sua versão contrafeita entre 30 a 60,00€. Este modelo, (e muitos outros), vendem-se via internet directamente da China, em milhares de outros sites por todo o mundo e em grupos locais do facebook, (há sempre oportunistas que tentam ganhar uns cobres à custa dos mais incautos). Algumas das questões que se colocam são:

– Será que o material contrafeito é igual ao original?

– Manterá o material contrafeito as características técnicas do original?

– Durará o mesmo tempo/quilómetros o material contrafeito que o original?

Foi a estas e outras questões que o site Trail Running Review tentou responder, efectuando um teste e respectiva comparação entre uns Salomon SpeedCross 3 verdadeiros e outros contrafeitos. Podem ler todo o artigo e testes clicando aqui.

Leiam, percebam as diferenças, e quando vos aparecer um negócio da China que vos oferece uns ténis a um terço do preço original, lembrem-se deste artigo e desconfiem de alguma coisa.

Continuação de bons treinos e de boas provas!!!